segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Anda difícil viver na cidade

Ainda lembro quando eu olhava pela janela e escorria sangue pelo meu nariz. Diria até que isso foi ontem. A noite tinha um cheiro realmente muito forte. Daí eu saía pra rua e ia beber com alguém. Então alguém chorava. Alguém acendia um baseado e ninguém falava mais nada. A calçada é mais confortável antes dos trinta. Acho que comecei minha vida no segundo tempo. Aos quarenta e cinco já vai estar tudo decidido. Até que aos cinquenta tudo acaba. Ou vou ser substituído, porque já vou estar cansado. Alguns acreditarão em uma próxima temporada. Aplausos e lágrimas da torcida.

Liguei pra Lívia esses dias. Ela riu quando ouviu minha voz. Nunca mais senti o cheiro dela. Amanhã vai fazer frio e eu tenho que tirar cópia da chave. A Lívia te mandou um beijo – falei pra minha mãe. Meu cachorro não come nada há dois dias.

Para aliviar a fome comi um cachorro quente. Duas horas depois já estava com fome novamente, nada como era antes. Essas coisas me remeteram a um passado estranho, alguma lembrança que na verdade não consigo lembrar. Meu time fez cento e trinta e um anos hoje. O pessoal aqui já está acreditando bem mais na próxima temporada.

2 comentários:

Felipe disse...

Deliciosa leitura, como sempre!

"Nunca mais senti o cheiro dela." Cara, eu realmente SEI o peso que essa frase carrega. Foda, foda.

torradastostadas disse...

rubem hammond jr. ótimo texto.