quarta-feira, 3 de junho de 2009

Sr. Queer.

De frente para a estante de livros o Senhor Queer procurava por Marlon Washer, os livros desse autor haviam sumido misteriosamente. Impaciente e sem tempo para procurar em outros cantos da casa, Queer decidiu que escreveria tão bem quanto o Sr. Washer, talvez, não com tanta clareza ou riqueza em detalhes, mas buscando espelhar-se nas obras do seu grande mestre.
Queer, que já não escrevia um romance ou drama desde os trinta anos de idade, passava grande parte do dia folhando seus velhos cadernos de poesia em busca de inspiração ao invés de esboçar um ensaio.
Deu titulo, encapou o livro, rabiscou uma imagem do que seria a capa, ligou para a editora, anunciou à publicidade. Mas suas mãos ainda nada falavam, nem um parágrafo mudo ou aspas como um escarro que precede a oração. Nada dele saia, nada em sua mente entrava, até seu sétimo dia de insônia, após descansar sobre a pauta com a caneta ainda em mãos, acorda e depara-se com a obra pronta, assinada, corrigida e nota que quatro dias haviam se passado.
Naturalmente confuso porem entusiasmado com o que teria acontecido, deu um telefonema à editora dizendo que estava a caminho com a obra em mãos.
Após um longo trajeto a pé, bate a porta da Editora South e entrega o caderno que cai de suas mãos como quem se livra de um peso dez vezes maior que seu próprio corpo, e talvez fosse, devido ao trabalho de quatro dias que ele mesmo não lembrava ter feito.
“Washer Marlon – o livro’’ estava entregue, seguindo em direção ao ‘forno’, com seu titulo anunciando total inspiração na obra de um autor que morrera alguns anos atrás.
De volta á sua casa a fim de descanso, Queer recosta-se em sua poltrona, onde descansa e faz reflexões durante anos, e com o passar do tempo não aguenta mais tanta pressão vinda do sucesso do livro. Decide mudar-se para o campo, querendo afastamento de seus compromissos com o publico e a imprensa, levando apenas uma de suas estantes de livros com um exemplar de ‘’Washer Marlon’’, a poltrona, lenha e uma arma para emergências.
No alto da montanha, Queer passa meses lendo e relendo obras do século XVII, comendo peixe e empalhando ursos.
Anos depois, refletindo em frente à lareira, encarando um peixe empalhado e mastigando uma dura carne de urso, Queer presume que enlouqueceu e decide voltar à cidade, deixando seus livros na cabana da montanha, levando apenas sua arma para emergências.
De volta à cidade, depara-se novamente com a estante de livros, procura por ‘Washer Marlon’, que havia sumido misteriosamente, decide ele mesmo escrever uma obra inspirada nesse livro, mas desiste na metade, aponta a arma para sua cabeça, dispara e acorda dias depois com a obra finalizada, assinada e intitulada ‘’Mellon and Blood’’.

4 comentários:

noelle disse...

é, cuidado com o que você deseja.
MUITO BOM.


beijos.

ninainwonderland disse...

gostei muito desse :)

Ju disse...

*é que ser blogger é que nem ser ator ou músico
*você tem que ser muito foda
*e você é rs

lia mara*lylly* disse...

prdi as contas na TENTATIVA.mas desa vez EXCELENTE criaturinha!!!!